Agenda no Congresso - disputa Maia e Meirelles

10/01/2018 10:58
Agenda no Congresso motiva disputa entre Maia e Meirelles
Resultado de imagem para disputa
Por Raymundo Costa e Ribamar Oliveira | Valor Econômico
 
BRASÍLIA - Os partidos que articularam e fizeram o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff podem chegar à eleição presidencial de outubro com até quatro candidatos, mas é a disputa entre dois deles que no momento causa apreensão sobre o futuro da agenda econômica e da votação dos projetos de interesse do governo: Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, e Henrique Meirelles (PSD), ministro da Fazenda.
 
Até agora, ambos recusam a hipótese de o embate afetar a agenda econômica e a votação de projetos do governo, como a reforma previdenciária, prevista para fins de fevereiro, início de março. Meirelles acha que a reforma é do interesse de todos os presidenciáveis e, por isso, considera que a proposta será aprovada.
 
Aliados do ministro dizem que Maia tem interesse em aprovar a reforma para apresentá-la como resultado de sua gestão e de mais ninguém. Nem do presidente Michel Temer. A candidatura Maia tem origem num grupo de partidos que fizeram o impeachment de Dilma, dos quais devem ser destacados o PP e o Solidariedade.
 
O PTB está com Geraldo Alckmin (PSDB), assim como o PSD de Meirelles articula apoio à candidatura do tucano, mas ambos podem abandonar o barco de Alckmin na iminência de um naufrágio sugerido pelo baixo desempenho do governador paulista nas pesquisas. Segundo fontes do governo, o deputado Jair Bolsonaro, que deve ser o candidato do PSL, aparece nas pesquisas apenas cinco pontos abaixo de Alckmin no próprio Estado de São Paulo.
 
Em entrevista publicada ontem no jornal "O Globo", Rodrigo Maia fustigou a candidatura de Meirelles: "Tenho boa relação com o ministro e o que digo sempre é que tem que tomar cuidado de não misturar ministério com processo eleitoral", disse o presidente da Câmara, que ainda classificou de "analógica" a candidatura do ministro.
 
Ontem, no seu perfil do Facebook, Maia defendeu a adoção de uma agenda social e criticou Meirelles por ficar restrito às questões econômicas. Maia escreveu que essa agenda social deveria priorizar cinco urgências: saneamento, moradia segura, educação de qualidade, saúde e segurança pública.
 
Meirelles tem dito que está "100% focado" no governo e que suas decisões tem sido pautadas pelo ministro e não pelo presidenciável. Seus aliados vão mais longe e dizem que Maia procura se diferenciar do governo para não ser contaminado pela impopularidade do presidente, a exemplo do que fez em sua campanha para presidir a Câmara. O candidato que vai efetivamente defender o legado de Temer seria Meirelles.
 
Nem Meirelles nem Maia reconhecem que são candidatos. O primeiro diz que é presidenciável. O segundo, que seu nome é cogitado por haver um cenário de deserto na política. Mas tanto um quanto o outro já se movem como candidatos. Meirelles, no último sábado, teve encontro com evangélicos, público ao qual tem dedicado especial atenção; Maia, na próxima semana, pretende viajar aos EUA.
 
A agenda de Maia ainda não está fechada, mas o presidente da Câmara deve ter encontro com investidores americanos no país. Uma agenda típica de pré-candidatos em campanha. Ele vai a Washington e Nova York. Em princípio Maia deve falar na Câmara de Comércio Americana.
 
Além de Meirelles, Maia e Alckmin, os partidos que apoiaram o impeachment de Dilma ainda não descartaram a hipótese da reeleição do presidente Michel Temer, que tem até julho de prazo para se decidir. Os problemas são a impopularidade, que Temer precisa reverter, e a saúde do presidente, que permanece uma incógnita. Ele cogita, inclusive, não ir a Davos.
 
 

Notícias

20/04/2018 09:58
Papa em Alessano: Livrar-se dos sinais do poder, para dar espaço ao poder dos sinais Diante...
20/04/2018 09:35
Política Joesley diz que pagava mesada de R$ 50 mil a Aécio, segundo jornal   Em...
19/04/2018 18:00
Clero do Brasil é jovem   Reunidos na 56° Assembleia em Aparecida, os bispos do...
19/04/2018 17:44
Bispos reunidos em sua 56ª Assembleia Geral enviam mensagem ao povo de Deus   O...
19/04/2018 17:09
William Waack: A pobreza do debate - O Estado de S.Paulo   A Lava Jato traçou a...
19/04/2018 17:02
Caminhada da Fraternidade quer ampliar consciência do respeito ao outro Cris Pinheiro - Vera...
19/04/2018 16:27
Política - TRF4 nega mais um recurso de José Dirceu, que fica perto da...
19/04/2018 16:14
Papa Francisco: não existe evangelização de poltrona Em sua homilia, Francisco destacou que...
19/04/2018 03:48
Papa recebe o pai de Alfie: somente Deus é dono da vida O encontro ocorreu na Casa Santa...
19/04/2018 03:40
19 DE ABRIL DE 2018 - Coluna do Cláudio Humberto SUSPEITA É QUE PASSAPORTE SERVIRIA À FUGA...
18/04/2018 21:25
Gleisi pede apoio do mundo árabe para libertar Lula da prisão   Presidente do PT diz...
18/04/2018 18:04
Porandubas Políticas Por Gaudêncio Torquato   Porandubas nº 570...
18/04/2018 17:59
Álvaro Dias defende reformulação da República e diz que eleitor quer candidato ficha...
18/04/2018 14:41
TRF-4 nega último recurso de Lula no caso do triplex do Guarujá Desembargadores decidiram...
18/04/2018 08:33
Papa: Batismo implica uma resposta pessoal “Deus chama cada um pelo nome, amando-nos...
18/04/2018 08:25
Vera Magalhães: Dilma, Aécio e a Lava Jato - O Estado de São Paulo O que une o destino dos dois...
18/04/2018 07:53
Por Jorge Oliveira   JORNAIS ESTRANGEIROS AGORA CONDENAM CORRUPÇÃO DE LULA Rio - A imprensa...
18/04/2018 07:43
18 DE ABRIL DE 2018 - Coluna do Cláudio Humberto ALCKMIN PRESSIONADO A EXPULSAR AÉCIO DO PSDB O...
18/04/2018 07:37
Aécio Neves réu ‘entristece’, mas ‘lei é para todos’, diz Alckmin O presidente do PSDB, Geraldo...
17/04/2018 20:35
Por 5 a 0, Aécio vira réu em ação no Supremo Senador do PSDB mineiro agora responderá ao...

Contato

Jornalista Josenildo Melo Teresina - Piauí - Brazil WhatsApp : 86 99513 2539 josenildomelo@bol.com.br