Agenda no Congresso - disputa Maia e Meirelles

10/01/2018 10:58
Agenda no Congresso motiva disputa entre Maia e Meirelles
Resultado de imagem para disputa
Por Raymundo Costa e Ribamar Oliveira | Valor Econômico
 
BRASÍLIA - Os partidos que articularam e fizeram o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff podem chegar à eleição presidencial de outubro com até quatro candidatos, mas é a disputa entre dois deles que no momento causa apreensão sobre o futuro da agenda econômica e da votação dos projetos de interesse do governo: Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, e Henrique Meirelles (PSD), ministro da Fazenda.
 
Até agora, ambos recusam a hipótese de o embate afetar a agenda econômica e a votação de projetos do governo, como a reforma previdenciária, prevista para fins de fevereiro, início de março. Meirelles acha que a reforma é do interesse de todos os presidenciáveis e, por isso, considera que a proposta será aprovada.
 
Aliados do ministro dizem que Maia tem interesse em aprovar a reforma para apresentá-la como resultado de sua gestão e de mais ninguém. Nem do presidente Michel Temer. A candidatura Maia tem origem num grupo de partidos que fizeram o impeachment de Dilma, dos quais devem ser destacados o PP e o Solidariedade.
 
O PTB está com Geraldo Alckmin (PSDB), assim como o PSD de Meirelles articula apoio à candidatura do tucano, mas ambos podem abandonar o barco de Alckmin na iminência de um naufrágio sugerido pelo baixo desempenho do governador paulista nas pesquisas. Segundo fontes do governo, o deputado Jair Bolsonaro, que deve ser o candidato do PSL, aparece nas pesquisas apenas cinco pontos abaixo de Alckmin no próprio Estado de São Paulo.
 
Em entrevista publicada ontem no jornal "O Globo", Rodrigo Maia fustigou a candidatura de Meirelles: "Tenho boa relação com o ministro e o que digo sempre é que tem que tomar cuidado de não misturar ministério com processo eleitoral", disse o presidente da Câmara, que ainda classificou de "analógica" a candidatura do ministro.
 
Ontem, no seu perfil do Facebook, Maia defendeu a adoção de uma agenda social e criticou Meirelles por ficar restrito às questões econômicas. Maia escreveu que essa agenda social deveria priorizar cinco urgências: saneamento, moradia segura, educação de qualidade, saúde e segurança pública.
 
Meirelles tem dito que está "100% focado" no governo e que suas decisões tem sido pautadas pelo ministro e não pelo presidenciável. Seus aliados vão mais longe e dizem que Maia procura se diferenciar do governo para não ser contaminado pela impopularidade do presidente, a exemplo do que fez em sua campanha para presidir a Câmara. O candidato que vai efetivamente defender o legado de Temer seria Meirelles.
 
Nem Meirelles nem Maia reconhecem que são candidatos. O primeiro diz que é presidenciável. O segundo, que seu nome é cogitado por haver um cenário de deserto na política. Mas tanto um quanto o outro já se movem como candidatos. Meirelles, no último sábado, teve encontro com evangélicos, público ao qual tem dedicado especial atenção; Maia, na próxima semana, pretende viajar aos EUA.
 
A agenda de Maia ainda não está fechada, mas o presidente da Câmara deve ter encontro com investidores americanos no país. Uma agenda típica de pré-candidatos em campanha. Ele vai a Washington e Nova York. Em princípio Maia deve falar na Câmara de Comércio Americana.
 
Além de Meirelles, Maia e Alckmin, os partidos que apoiaram o impeachment de Dilma ainda não descartaram a hipótese da reeleição do presidente Michel Temer, que tem até julho de prazo para se decidir. Os problemas são a impopularidade, que Temer precisa reverter, e a saúde do presidente, que permanece uma incógnita. Ele cogita, inclusive, não ir a Davos.
 
 

Notícias

21/07/2018 21:15
Míriam Leitão: Sombras do centrão - O Globo O apoio dos partidos do chamado centrão pode ser tanto...
21/07/2018 21:01
Adquira o subsídio Igreja em Oração Arquidiocese de Teresina - Por Cristiane Pinheiro A...
21/07/2018 17:12
A militância partidária: Editorial  Jornal O Estado de São Paulo A política depende dos...
21/07/2018 17:00
"Alckmin conseguiu unir no 'Centrão' toda a nata da corrupção", diz Bolsonaro Em publicação neste...
21/07/2018 15:16
Reflexão litúrgica para o XVI Domingo do Tempo Comum - B "No final das nossas atividades...
21/07/2018 15:10
Luiz Weber: O candidato bombado - Folha de S. Paulo   Geraldo Alckmin (PSDB) recorreu ao...
21/07/2018 15:02
Editoral: juventude, arregaçar as mangas "A felicidade não é algo que pode ser comprado no...
21/07/2018 14:58
A espúria negociação de uma aliança: Editorial | O Globo O candidato Geraldo Alckmin ganhou a...
21/07/2018 10:04
BARROSO PÕE ‘CANDIDATURA AVULSA’ NA GELADEIRA O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu que não...
21/07/2018 09:58
Cálculos políticos Foto viralizou nas Redes Sociais no dia 20 de julho de 2018 Há uma chuva de...
21/07/2018 09:51
Fernando Gabeira: Livrai-nos de tanta loucura - O Globo No Brasil, Congresso decide quebrar o...
21/07/2018 09:44
Ricardo Noblat: PT inventou Temer Presidente e quer jogá-lo no colo de Alckmin - Blog do...
21/07/2018 01:15
Panamá - Preparação JMJ 2019 não esquece sofrimento da Nicarágua Arcebispo de Panamá, Dom José...
20/07/2018 23:02
“Para onde vai a Igreja?”, livro-entrevista de Gerson Camarotti com cinco cardeais...
20/07/2018 22:54
Mensagem do Papa a encontro em Fátimas das Equipes de Nossa Senhora A mensagem serve-se do tema...
20/07/2018 17:43
União de forças no Sudeste Lydia Medeiros | O Globo Geraldo Alckmin venceu a batalha...
20/07/2018 13:46
O desafio da renovação do Congresso Nacional, um poder desacreditado no Brasil Por CNBB Em artigo...
20/07/2018 11:57
Cheiro ruim Influente e Conceituado Jornalista Arimatéia Azevedo - Credibilidade É muita séria,...
20/07/2018 11:29
Vera Magalhães: Alckmin joga com o regulamento - O Estado de São Paulo Presidenciável do PSDB...
20/07/2018 11:24
- Correio Braziliense A sucessão de Villas Bôas, que estava fora de cogitação até o final do...

Contato

Jornalista Josenildo Melo Teresina - Piauí - Brazil WhatsApp : 86 99513 2539 josenildomelo@yahoo.com