Cardeal Sergio da Rocha - entrevistado pelo portal

12/02/2018 14:08
Cardeal Sergio da Rocha entrevistado pelo portal “Religión Digital”
Cardeal Sergio da Rocha entrevistado pelo portal “Religión Digital”
Luis Miguel Modino, correspondente no Brasil, do Portal espanhol Religión Digital, entrevistou o cardeal Sergio da Rocha, arcebispo de Brasília e presidente da CNBB. 
 
Dada a situação que o Brasil está experimentando, com uma realidade sociopolítica que nos surpreende todos os dias, que cada dia nos apresenta uma novidade, como presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil frente a essa realidade?
 
A própria CNBB, Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, já se pronunciou várias vezes sobre o momento nacional. Estamos preocupados com a situação em que vivemos, mas, acima de tudo, questionamos as iniciativas que envolvem a perda de direitos, especialmente dos mais pobres. Várias reformas ocorreram aqui no Brasil, primeiro o Projeto de Emenda Constitucional, no limite das despesas públicas, depois a reforma trabalhista, a terceirização, agora a reforma da Previdência.
 
A CNBB tem sido uma voz profética que questiona essas iniciativas, especialmente alertando fortemente sobre a perda de direitos que essas iniciativas trazem. É claro que é cada vez mais necessário viver essa missão profética da Igreja e temos muito o que fazer. Não é suficiente fazer apenas um pronunciamento, é necessária uma ação efetiva de nossas comunidades, participando da vida política do país. Os bispos do Brasil, através da CNBB, fizeram seus pronunciamentos, mas a CNBB tem a pastoral social e os organismos que têm sua ação, mas ainda assim, precisamos da colaboração da sociedade civil organizada atuando e, acima de tudo, precisamos da mobilização de nossas comunidades. Há sempre uma maneira de se mobilizar, embora seja claro que depende da realidade local. Sempre defendemos manifestações pacíficas, sempre apelamos para a não-violência. Vivemos em uma sociedade que já é violenta e não podemos permitir que qualquer tipo de violência seja combatido com mais violência. Mas é muito importante que tenhamos uma ação mais efetiva da população brasileira em seu exercício de cidadania, pois muitas vezes há uma indiferença ou uma certa desculpa em relação à vida política.
 
O senhores bispos pedem a participação das comunidades  esta é uma preocupação que também está muito presente nas palavras do Papa Francisco. Nos encontros com os movimentos sociais, ele sempre diz que as reformas sociais devem nascer da base. Por que existe essa falta de compromisso, essa apatia que o senhor aponta, mesmo dentro das comunidades da Igreja Católica?
 
No Brasil, temos fatores históricos que podem explicar um pouco essas reações de apatia ou indiferença. Também temos a falta de oportunidades para um diálogo mais efetivo com a sociedade civil organizada. O próprio governo brasileiro tem tendência a dialogar somente com o Congresso Nacional, negociar politicamente com o congresso. É claro que em uma democracia há sempre isso, mas não pode ser restrito a isso, é necessário que as pessoas sejam mais ouvidas, acima de tudo, a sociedade civil organizada seja mais ouvida para permitir uma participação mais efetiva na vida social.
 
Eu acho que nós, dentro das comunidades, também precisamos destacar o valor, a necessidade de maior participação política. Porque também depende da Igreja local que essa participação cresça ou não. Penso que é necessário ajudar, encorajar. Eu digo que nós, como bispos, ministros ordenados, que somos pastores na Igreja, precisamos encorajar nosso povo, em nossas comunidades, a pensar sobre a vida política, a participar mais efetivamente na vida política de forma organizada e não apenas individualmente.
 
As Comunidades Eclesiais de Base sempre influenciaram essa dimensão política, essa presença na sociedade, esse compromisso por um mundo melhor. O 14ª Intereclesial das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) acaba de ser celebrado e refletiu sobre a evangelização do mundo urbano. Como as CEBs podem ajudar nessa jornada, nesse trabalho?
 
Na mensagem aos participantes do Intereclisal está destacado que não estão oferecendo apenas respostas pastorais através de iniciativas CEBs, mas as próprias CEBs já são uma resposta aos desafios do mundo urbano, porque é preciso construir comunidade, uma comunidade que não se limita ao território, mas que favorece o acolhimento, a integração dos mais pobres, dos excluídos, daqueles que sofrem e que não conseguem encontrar espaço em outras situações. No mundo urbano, as CEBs já são uma resposta, mas é claro que a participação efetiva dos leigos é a grande resposta. Nas CEBs, os leigos são sujeitos da Igreja. Participando das CEBs, é necessário que essa participação não se limite ao interior da comunidade, mas se estenda a uma presença nos diferentes ambientes da sociedade, por exemplo na política, no trabalho, na cultura. Existem diferentes espaços e situações da vida social que precisam de uma presença mais intensa e organizada dos leigos, porque as ações espontâneas e pessoais não são suficientes. Precisamos de uma ação através da pastoral social, por exemplo. As CEBs devem dar valor à pastoral social e se expressar pastoralmente através da ação da pastoral social, porque a comunidade como tal já é uma ótima resposta ao mundo urbano.
 
Este ano a Igreja do Brasil celebra o Ano do Laicato. Como o Ano do Laicato pode ajudar a caminhar nessa direção que o senhor está apontando? O que se espera da Igreja no Brasil, sobretudo dos leigos e leigas?
 
Penso que o Ano do Laicato nos ajudará, em primeiro lugar, a dar mais valor à presença dos leigos na Igreja. Às vezes, você tem a ideia de que já está bem como está, que desde o Vaticano II tudo foi resolvido, que os leigos já têm sua participação e espaço.
 
Infelizmente, nem sempre é esse o caso, e é necessário tornar mais eficaz a presença dos leigos na vida da Igreja, nas comunidades. Por exemplo, temos conselhos e espaços de participação nas comunidades a que deve ser dado mais valor. Esperamos que o Ano do Laicato possa encorajar, incentivar uma maior participação na sociedade, porque acredito que este é o grande desafio. Os leigos estão na Igreja e é necessário que cresçam em participação, mas na sociedade a presença dos leigos ainda não é muito expressiva, especialmente de forma mais organizada.
 
Um dos grandes desafios é a presença da Igreja no meio da juventude e da juventude na Igreja. O senhor foi nomeado pelo Papa Francisco como relator do Sínodo da Juventude. Como esse sínodo pode ajudar a avançar nessa presença?
 
Esperamos muito desse Sínodo sobre a Juventude para dar mais coragem, para tornar mais efetiva a presença de jovens na Igreja. Nós fazemos, graças a Deus, um esforço para dar mais prioridade à presença e participação dos jovens na Igreja, no entanto, ainda temos muito o que fazer. De fato, a opção para os jovens, que vem dos tempos de Puebla, aqui na América Latina, precisaria crescer ainda mais. Esperamos que o Sínodo seja uma oportunidade para que os jovens sejam mais ouvidos, e o Papa Francisco tem feito isso, uma vez que favoreceu a escuta da juventude no plural, isto é, das juventudes, não apenas da juventude que está em certo movimento e sim os jovens com os diversos rostos, da juventude do mundo e esperamos que, na assembleia sinodal, a voz dos jovens seja ouvida.
 
Portanto, todos os esforços da Secretaria do Sínodo, do relator, dos secretários especiais, para receber o máximo possível o sentimento, as aspirações, os desafios dos jovens de todo o mundo para fazer isso repercutir no Sínodo. Esperamos que depois, o Sínodo possa devolver às comunidades os seus frutos e criar impacto na vida da Igreja, porque não pode permanecer apenas na assembléia sinodal, no evento. Esperamos que haja um momento de jornada maior, de participação dos jovens na vida da Igreja, para serem sujeitos do presente da Igreja, não só do seu futuro. É claro que a presença do jovem já existe nas comunidades, na pastoral, mas deve tornar o jovem cada vez mais sujeito na Igreja para ser também sujeito na sociedade.
 
Junto com este sínodo, o Sínodo dos Bispos da Panamazonia também terá lugar no próximo ano. O Brasil é o país com maior território amazônico, o que a Igreja do Brasil espera desse Sínodo da Amazônia?
 
O Papa e, claro, o Sínodo, esperam muito da Igreja no Brasil e a Igreja no Brasil também espera muito com esse Sínodo. Vamos oferecer a nossa contribuição, mas também esperamos das orientações pastorais do Sínodo, reflexões, propostas que venham a animar mais a vida e a missão da Igreja na Amazônia. E é claro que o Sínodo é uma ocasião especial para ver os rostos dos povos da Amazônia, ouvir sua voz, ouvir a voz não só da Igreja que está nas cidades da Amazônia, mas também ouvir a voz dos indígenas e sempre defendem suas vidas, seus direitos, sua dignidade.
 
O propósito do Sínodo é buscar formas de evangelização para os povos da Amazônia, especialmente os povos indígenas. Um dos temas que mais aparecem é a celebração eucarística nas comunidades. Em uma entrevista recente, o arcebispo Erwin Kräutler disse que a questão não tem nada a ver com o celibato opcional ou a ordenação dos homens casados, mas com a forma de ter uma presença eucarística em comunidades onde hoje só acontece uma ou duas vezes por ano. Como encontrar maneiras de fazer isso acontecer?
 
O Papa Francisco insistiu, e antes dele, em geral, há muitos pronunciamentos, sobre a ministério na Igreja, isto é, dando valor à Igreja ministerial, aos vários ministérios e às diferentes vocações, mas é claro que por mais que os vários ministérios tenham valor com a participação dos leigos, o ministério ordenado tem sua grande importância na vida das comunidades. Tenho certeza de que a própria assembleia sinodal vai pensar sobre como fazer de uma Igreja cada vez mais ministerial, uma realidade; como dar valor aos vários ministérios na própria vida da Igreja e quais respostas pastorais serão dadas às comunidades diante dessa falta de ministros ordenados. Agora, neste momento, penso que não podemos antecipar o que será refletido, mas certamente o problema da ausência de sacerdotes ou ministros ordenados na vida de nossas Igrejas da Amazônia é um fato que certamente deve ser considerado por o próximo sínodo.
 
Nós ainda não temos o documento preparatório ou o chamado instrumento de trabalho. O diálogo sobre esse sínodo está apenas começando, então precisamos esperar um pouco mais para poder falar sobre esses problemas. Portanto, não temos, neste momento, dados específicos que permitem decisões sobre como essas questões serão abordadas, mas certamente a questão da necessidade de ministros ordenados ou ministros nas comunidades é uma questão atual, já era um tópico antigo, que se torna cada vez mais necessário todos os dias.
 
(Tradução: Google Tradutor e Redação da Assessoria)
 
 
CNBB
 
 
 

Notícias

21/05/2018 21:50
Centrão já tem cacife de R$ 600 milhões PR, PP, DEM, PRB e Solidariedade negociam pacto de...
21/05/2018 21:33
Papa pede aos bispos italianos redução do número de dioceses O Papa Francisco abriu, no...
21/05/2018 21:27
MUNDO - 'Deus te ama assim', diz Papa a homossexual Juan Carlos Cruz concede entrevista...
21/05/2018 17:01
77% se interessam mais pela Lava Jato do que pela Copa   Uma pesquisa do Instituto...
21/05/2018 15:04
Sessão solene para entrega de título ao Arcebispo Dom Jacinto Furtado de Brito Sobrinho - O...
21/05/2018 09:32
Presidente do Paraguai inaugura embaixada do país em Jerusalém Pais foi terceira nação a tomar tal...
21/05/2018 09:26
D. Konrad Krajewski: "Esta nomeação é para os pobres" "Esta nomeação não é para mim, é para o...
21/05/2018 08:02
Lançamento da O DIA TV fortalece o projeto transmídia do Sistema O Dia Com a transmissão em rede...
21/05/2018 07:55
Fim dos extremismos Dom Walmor Oliveira de Azevedo Arcebispo de Belo Horizonte A civilização está...
21/05/2018 07:51
Papa: a Igreja é mulher e mãe, como Maria Na homilia, o Santo Padre ressaltou que nos Evangelhos,...
21/05/2018 07:42
A Fenomenologia do Espírito representa a teoria do conhecimento de Hegel. Ela forma uma árvore do...
21/05/2018 05:00
21 DE MAIO DE 2018 - Coluna do Cláudio Humberto LAVA JATO DERRUBOU O MERCADO DE...
20/05/2018 17:34
Cento e vinte e sete anos da Rerum Novarum Ao recordar a apresentação da Encíclica...
20/05/2018 17:29
Vera Magalhães: A receita de Alckmin - O Estado de S. Paulo   Doze anos depois,...
20/05/2018 14:20
* Luiz Sérgio Henriques: Karl Marx e o nosso tempo - O Estado de S.Paulo   O...
20/05/2018 12:16
Papa anuncia nomes de 14 novos cardeais O que é um Cardeal? Segundo o Professor Felipe...
20/05/2018 11:57
Número de eleitores idosos supera o de jovens Envelhecimento da população pode mudar os...
20/05/2018 09:56
Arquidiocese de Teresina divulga programação de Corpus Christi Por Vera Alice Brandão -...
20/05/2018 09:48
20 DE MAIO DE 2018 - Coluna do Cláudio Humberto CAI FATURAMENTO DAS EMPREITEIRAS PÓS-LAVA...
20/05/2018 09:31
EDITORIAL - A hora da sabatina Por SÉRGIO PARDELLAS - Site da Revista...

Contato

Jornalista Josenildo Melo Teresina - Piauí - Brazil WhatsApp : 86 99513 2539 josenildomelo@bol.com.br