Celso Ming - Jornal O Estado de São Paulo

14/01/2018 09:53
Celso Ming: Nem tudo é calamidade
- O Estado de S.Paulo
 
O mercado financeiro pouco se importou com a decisão tomada pela agência Standard & Poor’s (S&P) de rebaixar a qualidade dos títulos de dívida do Brasil.
 
Em vez de disparar, a cotação do dólar em reais caiu sexta-feira mais 0,31%; a Bolsa ficou no zero a zero, recuou 0,2%; e, depois de certa vacilação, o rendimento (yield) dos títulos do Tesouro do Brasil traduzido nos juros futuros pouco oscilou, ficou nos 9,63% para o vencimento de 2023. O índice de risco Brasil apontado pelo Credit Default Swap (CDS) dos títulos de 5 anos pouco oscilou, como se os papéis do País ainda ostentassem grau de investimento.
 
A explicação apressada para esse baixo impacto foi a de que a expectativa de rebaixamento “já estava nos preços” dos ativos financeiros e que, por isso, não tinham mesmo de dar seus pinotes. Há duas outras explicações mais consistentes para a baixa reação.
 
A primeira é a de que continua existindo impressionante abundância de recursos nos mercados, que não dispõem de opções atraentes de aplicação. Assim, para afastar os investidores não bastou o rebaixamento em mais um nó na tabela de classificação da S&P, que já era antes de grau especulativo.
 
A outra explicação é a de que a economia do Brasil passa por impressionante reação de melhora – com a exceção da situação calamitosa das contas públicas.
 
Foi dureza para todos os brasileiros tanto a recessão como a inflação de há alguns anos. Em proporção tal que a população tem dificuldades para perceber a virada do jogo. Mas ela é inegável. Aqui vai a relação de alguns avanços.
 
A inflação em 12 meses, de 2,95%, é a mais baixa desde 1998. É verdade que falta conferir até que ponto o recuo é sustentável, mas o retrato do momento é esse.
 
Os juros básicos (Selic) despencaram dos 14,25% ao ano aos atuais 7% ao ano. Assim, concorrem para reduzir o custo da dívida pública e estimular o crédito.
 
Acabou a recessão. O PIB de 2017 deve ter avançado ao menos 1,0% e deve alcançar os 2,7% em 2018. O desemprego, que chegou aos 13,70% da força de trabalho, recuou para 12,0% e tende a recuar mais. As safras de grãos em 2017 foram recorde histórico; atingiram os 240,6 milhões de toneladas, 30% a mais do que as do ano anterior. E 2018 desponta para a segunda maior safra da história. As máquinas da indústria, antes semiparalisadas, voltaram a girar. As projeções para 2018 são de crescimento da produção acima dos 3%.
 
O superávit comercial de 2017 foi recorde: US$ 67 bi. Os Investimentos (Estrangeiros) Diretos no País devem ter fechado o ano nos US$ 75 bi e, como projeta o Banco Central, podem chegar aos US$ 80 bi em 2018. O Brasil continua a contar com o respeitável colchão de reservas externas de US$ 380 bi, equivalentes a 30 meses de importações.
 
Por fim, a Bolsa, que quase sempre se antecipa aos fatos, apontou valorização de 26,86% em 2017 e, só nos oito dias úteis de 2018, avançou mais 3,72%.
 
A política continua reunindo mediocridades e alguns desastres. Em vez de trabalhar mais pelo saneamento das contas públicas (nisso poderia divulgar, com competência, os resultados da economia), o presidente Temer prefere bancar para o Ministério do Trabalho a condenada pela Justiça do Trabalho Cristiane Brasil. Mas o Brasil continua maior que o buraco.
 
 

Notícias

22/07/2018 10:33
Papa no Angelus: distantes de Jesus e de seu amor, nos perdemos “Com Jesus ao lado se pode...
22/07/2018 10:30
Elio Gaspari: O PT e Ciro no golpe do plebiscito - O Globo Plebiscito logo após a eleição é golpe...
22/07/2018 10:26
Vera Magalhães: Uma nova lógica - O Estado de S.Paulo   Força inédita do Centrão é chave para...
22/07/2018 10:22
Luiz Carlos Azedo: O tabuleiro eleitoral - Correio Braziliense Pesaram a favor de Alckmin o...
22/07/2018 07:04
Saiba quais são os temas mais debatidos pelos brasileiros no Facebook   Segurança e economia...
22/07/2018 07:01
PSOL formaliza candidatura de Boulos à Presidência BRASÍLIA (Reuters) - Por Marcela Ayres O...
22/07/2018 06:31
Quinto aniversário da primeira Viagem Apostólica de Francisco Cinco anos da primeira Viagem...
22/07/2018 05:48
PERTENCE QUERIA DEFESA TÉCNICA, O PT, A PANFLETÁRIA Ministro aposentado do Supremo Tribunal...
21/07/2018 21:15
Míriam Leitão: Sombras do centrão - O Globo O apoio dos partidos do chamado centrão pode ser tanto...
21/07/2018 21:01
Adquira o subsídio Igreja em Oração Arquidiocese de Teresina - Por Cristiane Pinheiro A...
21/07/2018 17:12
A militância partidária: Editorial  Jornal O Estado de São Paulo A política depende dos...
21/07/2018 17:00
"Alckmin conseguiu unir no 'Centrão' toda a nata da corrupção", diz Bolsonaro Em publicação neste...
21/07/2018 15:16
Reflexão litúrgica para o XVI Domingo do Tempo Comum - B "No final das nossas atividades...
21/07/2018 15:10
Luiz Weber: O candidato bombado - Folha de S. Paulo   Geraldo Alckmin (PSDB) recorreu ao...
21/07/2018 15:02
Editoral: juventude, arregaçar as mangas "A felicidade não é algo que pode ser comprado no...
21/07/2018 14:58
A espúria negociação de uma aliança: Editorial | O Globo O candidato Geraldo Alckmin ganhou a...
21/07/2018 10:04
BARROSO PÕE ‘CANDIDATURA AVULSA’ NA GELADEIRA O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu que não...
21/07/2018 09:58
Cálculos políticos Foto viralizou nas Redes Sociais no dia 20 de julho de 2018 Há uma chuva de...
21/07/2018 09:51
Fernando Gabeira: Livrai-nos de tanta loucura - O Globo No Brasil, Congresso decide quebrar o...
21/07/2018 09:44
Ricardo Noblat: PT inventou Temer Presidente e quer jogá-lo no colo de Alckmin - Blog do...

Contato

Jornalista Josenildo Melo Teresina - Piauí - Brazil WhatsApp : 86 99513 2539 josenildomelo@yahoo.com