Eliane Cantanhêde: Jogo de gato e rato

12/01/2018 10:28
Eliane Cantanhêde: Jogo de gato e rato
- O Estado de S.Paulo
 
Temer e MDB não estão à caça de candidatos; acham que serão caçados por eles
 
A pergunta que não quer calar, após o presidente Michel Temer falar ao Estado com simpatia sobre o governador Geraldo Alckmin: é bom ou ruim para um candidato à sucessão ter o apoio explícito do presidente mais impopular desde a redemocratização de 1985? Depende. Exatamente por isso, os presidenciáveis analisam como tirar os bônus sem arcar com o ônus.
 
O aceno de Temer surpreendeu por causa de toda a mágoa acumulada no Planalto com os tucanos paulistas, que votaram em peso a favor das duas denúncias da PGR contra Temer, no momento mais dramático do governo. Mas o presidente é um pragmático. Olha mais para frente do que para trás.
 
Se os candidatos fazem cálculos sobre perdas e ganhos com o apoio de Temer, Temer faz justamente o mesmo em relação a eles: quem tem melhores condições de vencer, dar continuidade a seus principais programas e cuidar do seu nome e do seu governo para a história?
 
Estropiado ou não, pelas denúncias, más companhias, recuos e pesquisas, Temer tem dois poderosos trunfos na eleição de outubro: o peso da máquina do governo e a força do MDB, que ele presidiu durante anos. Forte ou fraco, governo é governo e está em todos os setores, todas as partes, é sempre uma mão na roda em campanhas. E o MDB é o maior partido do País.
 
Além do maior número de governadores, prefeitos e vereadores, o partido tem também a maior bancada da Câmara, com 61 deputados, e o segundo maior tempo de TV na eleição. Esse é um ativo precioso, disputado a tapa pelo PT e o PSDB eleição após eleição e agora ampliando o leque de negociações.
 
No discurso de políticos mais jovens, a TV terá cada vez menos importância eleitoral, já a partir deste ano, porque vem sendo substituída pela rapidez, alcance e falta de regras das redes sociais. Mas quem é do ramo, como o próprio Temer, aposta no contrário: com a proibição do financiamento empresarial e os limites apertados do fundo público, a necessidade da TV vai crescer.
 
O fato é que o MDB se mexe muito, mas diz pouco e dá ainda menos pistas sobre o que pretende fazer em outubro. Como resumiu Temer: “O partido vai ter candidato? Um candidato próprio ou alguém que migre de outra sigla?” Leia-se: o governo e o partido não estão à caça de candidatos; acham que serão caçados pelos candidatos.
 
O problema é o que fazer com o próprio presidente, ou melhor, como ter os benefícios do governo e do partido, mas escondendo Temer e se descolando do seu desgaste na opinião pública? Não é tão simples. Temer e seus escudeiros Moreira Franco e Eliseu Padilha não são bobos. E candidato que subestima o eleitor pode dar com os burros n’água.
 
Em 2006, deu certo no Rio, quando Sérgio Cabral se elegeu governador surfando no apoio e nos votos do casal Anthony e Rosinha Garotinho, mas mantendo uma distância prudente e se desvencilhando dos dois assim que ganhou vida própria. Foi, porém, uma situação específica, local. Funcionaria numa eleição presidencial?
 
É essa pergunta que se fazem Alckmin, Rodrigo Maia e talvez até Henrique Meirelles – os três nomes potencialmente governistas. Enquanto trabalham e torcem para Temer ganhar popularidade e virar um bom cabo eleitoral, temem que, se isso ocorrer, ele mesmo poderá se lançar. Até aqui, portanto, há um jogo de gato e rato: quem caça quem, quem convém a quem. As pesquisas darão as respostas, mas aí é que mora o perigo: elas têm sido bem favoráveis aos nomes da oposição, não aos da situação.
 
‘Direitão’. Segundo Aécio Neves, Maia “começou bem” ao citar uma frase do seu avô, Tancredo, sobre correr riscos sem se meter em aventuras. Mas começa realmente bem com Paulinho da Força (SD), Valdemar Costa Neto (PR) e Ciro Nogueira (PP)? Isso é “centrão” ou “direitão”?
 
 

Notícias

22/01/2018 09:54
22 DE JANEIRO DE 2018 - Coluna do Clúadio Humberto DOSSIÊ FAZ MEIRELLES SEGURAR MP ILEGAL...
22/01/2018 09:50
Cármen Lúcia suspende posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho   A presidente...
22/01/2018 09:43
Ricardo Noblat: Sem Lula, vida que segue -Blog do Noblat/ Veja   O rei morreu? Viva...
21/01/2018 16:50
Luiz Carlos Azedo: Por que somos assim? - Correio Braziliense   Nada indica que a...
21/01/2018 16:43
Papa no Angelus: o coração não se pode "photoshopear" Do balcão do Arcebispado de Lima...
21/01/2018 11:21
Os planos com e sem Lula na disputa Adversários fazem suas estratégias de olho no...
21/01/2018 11:14
PT teme encolher se Lula for barrado na eleição Disputa. Ainda sem consenso sobre um nome...
21/01/2018 00:34
Cidades conflagradas Por Marco Antonio Villa   Ao longo do século 20, as grandes...
21/01/2018 00:28
21 de janeiro de 2018 - Coluna do Cláudio Humberto GILMAR PODE TER DE DECIDIR SE CABRAL...
20/01/2018 20:59
Por Rodrigo Constantino “Vai ter que matar gente”   Para prender o Lula, vai ter...
20/01/2018 20:56
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA A banalização da política - Diana Soller - Jornal Observador -...
20/01/2018 20:10
Planalto marca para segunda posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho Agência...
20/01/2018 20:05
20 DE JANEIRO DE 2018 - Coluna do Cláudio Humberto   LENIÊNCIA: EMPREITEIRAS QUEREM TCU...
20/01/2018 19:47
REVISTA VEJA - Quem quer Lula - J.R. GUZZO Está quase lá: mais uns poucos dias e vamos saber...
20/01/2018 19:43
Papa em Trujillo: Cristo é a melhor solução para as tempestades da vida Francisco celebrou a...
20/01/2018 16:22
Dora Kramer: A caravana passará Revista VEJA   O PT esperneia, mas a República não...
20/01/2018 16:11
DECISÃO - STJ autoriza posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho A decisão vai de...
20/01/2018 10:55
Muito barulho por nada Por Carlos José Marques   O desespero bateu nas hostes...
20/01/2018 10:38
JULGAMENTO LULA - Agora vai? O TRF-4 deverá confirmar e até agravar no próximo dia 24 a...
20/01/2018 10:29
João Domingos: O PT monta o circo - O Estado de S.Paulo   Se eleito, e puder tomar...

Contato

Jornalista Josenildo Melo Teresina - Piauí - Brazil WhatsApp : 86 99513 2539 josenildomelo@bol.com.br