Pinçado por Lula, deputado lidera tropa anti-impeachment

23/10/2015 15:28

Por Cristian Klein - Valor Econômico

RIO - "Elogio em boca própria é vitupério", recorre ao provérbio o deputado federal Wadih Damous (PT-RJ), de 59 anos, para evitar declaração autolaudatória. Ex-presidente da seção do Rio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ), o parlamentar nega que sua chegada à Câmara tenha sido preponderante para fortalecer a tropa de choque governista que busca sufocar o movimento de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Foi dele um dos mandados de segurança que levaram o Supremo Tribunal Federal (STF) a barrar os planos da oposição e do presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

Damous prefere dizer que é tudo "trabalho de equipe". Conta que um grupo de 12 pessoas se reúne pelo menos duas a três vezes por semana, no Rio e em Brasília, "que nem filme americano", para traçar a defesa do mandato presidencial.

 

Na equipe, além dele, estão os deputados Paulo Teixeira (PT-SP), Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA) e nove colaboradores, todos advogados, como os parlamentares. Damous é o primeiro suplente da bancada do Rio. Mas foi guindado para assumir o mandato numa operação capitaneada diretamente pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Impressionado com o discurso e os argumentos jurídicos de Damous, num ato em defesa da Petrobras ocorrido no Rio, em fevereiro, Lula recorreu ao prefeito da capital, Eduardo Paes. Pediu-lhe que nomeasse um dos titulares da bancada do PT fluminense - o atual secretário de Desenvolvimento Econômico Solidário, Fabiano Horta - para que a vaga se abrisse para Damous.

 

O deputado diz que não foi para Brasília "com a missão específica de barrar o impeachment". Incomoda-se quando questionado sobre a articulação feita pelo ex-presidente, que o levou à Câmara. "Tenho trajetória própria, mestrado, fui presidente da OAB no Rio. Não me elegi por apenas 175 votos. Não sou criação do Lula. Não sou produto da vontade dele", diz.

 

Ao mesmo tempo, pondera que "existe obviamente uma carência" de parlamentares que façam o debate jurídico, principalmente na Câmara. E, por fim, reconhece que houve a operação de Lula: "Houve, e me sinto honrado".

 

Damous e companhia são responsáveis por atrapalhar as pretensões da oposição, indo aos detalhes jurídicos e esperando o momento certo para agir. A vitória no STF - que concedeu liminar que ainda será julgada pelo pleno do tribunal - é relatada como uma façanha que exigiu estratégia cumprida com sangue-frio e discrição.

 

A decisão de ir ao Supremo, conta Damous, já estava tomada desde que Eduardo Cunha recusou o recurso do PT contra o rito adotado para eventual pedido de impeachment da presidente. Por esse rito, o plenário poderia recorrer e acolher, por maioria simples, o pedido, caso ele, Cunha, não aceitasse.

 

Damous diz que precisava esperar até o exato momento em que o presidente da Câmara e a oposição estivessem prestes a pôr o plano em ação, para agir logo antes, de surpresa. Cunha prometia decidir sobre os pedidos de impeachment até a terça, 13. "Ingressamos com o mandado de segurança na sexta-feira, antes do fim de semana, para que a imprensa não soubesse. E ainda tivemos o feriado, na segunda, dia 12, o que nos favoreceu."

 

Na terça, pela manhã, o ministro Teori Zavascki concedeu liminar a Damous. No mesmo dia, a ministra Rosa Weber concedeu outras duas liminares no mesmo sentido, para um mandado de segurança de Rubens Pereira Júnior e para uma reclamação de Paulo Teixeira e o também deputado Paulo Pimenta (RS). Funcionava a artilharia da bancada jurídica do PT.

 

Entre os argumentos dos deputados/advogados está o de que o impeachment não pode ser regido pelo Regimento Interno da Câmara, e sim pela lei 1.079, de 1950, embora esta última tenha uma série de lacunas. "A lei prevê o início, mas não o meio do processo", afirma Damous. Neste caso, argumenta, a solução seria a criação de uma nova lei ou que o Supremo dê sua interpretação, para questões como prazos de defesa e quórum de votação.

 

Damous diz que as "regras precisam ser claras antes de o jogo começar" e que, apesar de o impeachment ter um componente político, não pode ser sumário ou arbitrário, como ocorreu com o ex-presidente do Paraguai, Fernando Lugo, em 2012. "Não tem cabimento se, toda vez que um governante estiver mal avaliado, ele for alvo de impeachment. Institutos de pesquisa, como o Ibope, não são fonte do direito", afirma o parlamentar.

 

O petista acusa a oposição de golpismo e de ter criado uma falsa expectativa na população, ao apostar na rejeição das contas do governo Dilma, pelo Tribunal de Contas da União (TCU). "A decisão do TCU, do qual aliás defendo a extinção, não serve para nada. É um órgão inútil. Ele só leva o nome de tribunal, o que não é o caso. É um grupo de apaniguados, de indicados políticos, sem maiores méritos", ataca.


 

Notícias

24/06/2018 18:37
HISTÓRIA DA ALEMANHA - DW   O povo alemão Na origem do povo alemão estão as tribos...
24/06/2018 18:30
Erdogan vence na Turquia, mas sem maioria para mudar Constituição Cartaz da campanha eleitoral de...
24/06/2018 18:26
Ángelus del Papa: En cada persona humana está la huella de Dios En la Natividad de san Juan...
24/06/2018 18:21
Os dois braços longos do Papa: fé e caridade A caridade do Papa e sua gestão, que deve sempre ser...
24/06/2018 18:16
Porandubas nº 578 Hora de trabalhar O brigadeiro Eduardo Gomes fazia, no Largo da Carioca (Rio de...
24/06/2018 18:09
Luiz Carlos Azedo: A decantação da Lava-Jato - Correio Braziliense A divisão no Supremo Tribunal...
24/06/2018 16:14
Prisão de Lula é ‘ilegal’ e ‘viola a Constituição’, diz ministro do STF Marco Aurélio falou à TV...
24/06/2018 16:10
24 de junho: dia de São João Batista, o precursor de Jesus Cristo Pessoas festejam em Arraiá do...
24/06/2018 14:49
Com rins paralisados. Dom Miguel recebe Unção dos Enfermos na UTI www.cidadeverde.com -...
24/06/2018 11:10
Na próxima quinta-feira, Consistório para a criação de novos cardeais Papa Francisco presidirá o...
24/06/2018 11:04
PSDB isola MDB e prioriza outros aliados nos estados DEM, PSD e PP são tratados como parceiros...
24/06/2018 10:54
Vera Magalhães: PT preso a Lula - O Estado de S.Paulo Partido que venceu últimas quatro eleições...
23/06/2018 17:35
Kroos resgata a DFB-Elf em 95 . minuto Goalie pouco antes do final: Toni Kroos....
23/06/2018 13:45
Natividade de São João Batista A missão de João Batista é a missão de todos: preparar e anunciar a...
23/06/2018 13:39
Sem política não há solução: Editorial | O Estado de S. Paulo Como há muitos anos não se via, as...
23/06/2018 10:56
Justiça homologa delação premiada de Palocci Agência Brasil O desembargador João Pedro Gebran...
23/06/2018 10:51
Vaticano condena ex-núncio por divulgar pornografia infantil Por DW Monsenhor Carlo Alberto...
23/06/2018 10:45
Hélio Schwartsman: Religião petista - Folha de S. Paulo Absolvição de Gleisi Hoffmann e Paulo...
22/06/2018 12:02
Papa: confiança, anúncio e fraternidade para ser missionário Francisco propôs uma reflexão aos...
22/06/2018 07:45
Dom Guilherme: “O futebol como grande negócio explica a apatia dos brasileiros”   “Os...

Contato

Jornalista Josenildo Melo Teresina - Piauí - Brazil WhatsApp : 86 99513 2539 josenildomelo@bol.com.br