Resposta ao desemprego - Míriam Leitão

01/02/2017 11:22
Resposta ao desemprego - Míriam Leitão
- O Globo
 
O principal problema da economia brasileira hoje é o desemprego. Ele é o fruto mais amargo da grave crise na qual o país entrou por má condução da política econômica. Foi o governo Dilma que jogou o emprego nesta queda livre, mas o governo Temer não tem sabido dar uma resposta efetiva. O mercado de trabalho terá outro ano difícil em 2017, mas começará a colher algumas boas notícias.
 
O país passou nos últimos dois anos pela maior destruição de empregos da história recente. Só no ano passado, foram 3,3 milhões de desempregados a mais. Desde a eleição presidencial, 5,78 milhões. A taxa pulou de 6,8% no final de 2014 para 12% no fim de 2016. Na média do ano passado, ficou um pouco menor, 11,5%, mas isso não chega a reduzir o problema. Há vários sinais dessa deterioração: no emprego, na renda e no trabalho de qualidade. Segundo o IBGE, houve uma queda de 2,3 milhões de pessoas com carteira assinada. Os empregos criados no fim do ano foram temporários e sem carteira. E mesmo em período em que sazonalmente se cria mais postos de trabalho não está havendo uma recuperação da taxa.
 
Este ano haverá alguns paradoxos. Segundo o economista Bruno Ottoni, do Ibre/FGV, a população ocupada vai crescer ao longo dos meses, mas a taxa de desemprego cairá pouco. Parece contraditório, mas é um fenômeno que já ocorreu em outras saídas de crise. Como há muito desemprego por desalento — gente que não procura emprego porque acha que não vai encontrar — quando a economia começar a melhorar, haverá uma procura maior por vagas. Por isso, haverá elevação da população ocupada, porém a taxa de desemprego cairá pouco, porque mais pessoas estarão voltando ao mercado de trabalho.
 
— O indicador que vai determinar o ponto de virada no mercado de trabalho é o da População Ocupada, porque ele vai medir o número de empregos gerados na economia. A taxa de desemprego terá uma influência muito grande do desalento, pessoas que hoje estão tão desanimadas que nem sequer saem de casa para procurar emprego — explicou Ottoni.
 
Pelas estimativas da FGV, a População Ocupada aumentará em 1,2 milhão ao longo do ano. Já a quantidade de desempregados, na mesma comparação, cairá de 12,3 milhões para 11,9 milhões, uma queda de apenas 400 mil. Outro fenômeno é a falta de confiança das empresas na recuperação.
 
— O número de horas trabalhadas nas empresas ainda está baixo. E, antes de os empresários voltarem a contratar, eles vão aproveitar ao máximo a mão de obra empregada. Além disso, será preciso ter mais certeza de que a recuperação é duradoura. Em um primeiro momento, as vagas devem ser temporárias, com uma remuneração mais baixa — disse.
 
A recessão ajudou a criar esse quadro e ele foi resultado dos erros de condução da política econômica no governo Dilma. Mas uma parte do problema é estrutural. A economia, em qualquer país do mundo, não está conseguindo criar emprego de qualidade. O desafio é global e até em países onde a taxa está baixa, como os Estados Unidos, o assunto é uma agenda permanente da sociedade. Um dos paradoxos do momento atual é o presidente Donald Trump que, num país com índice de apenas 4,7% de desemprego, se elegeu com a promessa de trazer de volta as vagas supostamente roubadas por outros países através do comércio.
 
A economia hoje cresce, em qualquer setor, criando menos emprego do que no passado, pelo avanço da tecnologia e pela mudança nos processos de produção.
 
Os governos petistas apostaram que se dessem forte volume de subsídio estatal para as empresas elas criariam emprego. O resultado durou pouco e os efeitos colaterais ficaram. O governo Temer precisa ter uma agenda de políticas de apoio à criação de vagas que não repitam os erros do passado recente.
 
Uma parte dessa agenda é sem dúvida a reforma trabalhista. Mercados mais flexíveis criam emprego em maior volume e saem mais rapidamente das crises. E a regulação excessiva do mercado brasileiro encolhe a oferta das vagas formais e expõe mais trabalhadores à total falta de proteção do mercado informal. A reforma trabalhista é uma parte da política pró-emprego, mas não pode ser a única. A esta altura o governo Temer precisa dar uma resposta, independentemente de quem tenha criado o problema.
 
 

Notícias

21/10/2017 16:33
'Não admitimos um brasileiro contra o outro', diz Temer Presidente exaltou estabilidade...
21/10/2017 16:27
FALÊNCIA - Empresários temem calote do Governo com anulação de empenhos em...
21/10/2017 13:53
Mundo - A mudança política na Argentina: a receita de Macri Antipopulista - Macri, em...
21/10/2017 13:45
Veja quem quer ser presidente em 2018 Nomes se despontam dentro dos partidos para a próxima...
21/10/2017 11:51
Postado Por Josenildo Melo Jornalista MTB DRT PI 01958 - Credenciado...
21/10/2017 11:48
Direita sobe na Áustria | Gilles Lapouge - O Estado de S.Paulo   Viena é hoje a...
21/10/2017 10:12
A união indispensável | Marco Aurélio Nogueira  O Estado de S....
21/10/2017 09:58
Em defesa da democracia – Editorial | O Estado de S. Paulo O título deste editorial não é...
21/10/2017 00:28
Governo confia na força do crescimento  Por Claudia Safatle   PIB cresce...
21/10/2017 00:17
21 DE OUTUBRO DE 2017 - Coluna do Jornalista Cláudio Humberto   COM REDUÇÃO DE PENA,...
20/10/2017 23:39
Postado Por Josenildo Melo Jornalista MTB DRT PI 01958 - Credenciado...
20/10/2017 23:26
RELIGIÃO - Depressão e suicídio na Igreja: quando os padres precisam de ajuda Aleteia...
20/10/2017 21:51
Cartaz da CF: “Superação da violência só será possível com a união de todos” Um grupo de...
20/10/2017 21:45
Ah, se Temer fosse petista… Por Rodrigo Constantino - Site da Revista IstoÉ   Eis a...
20/10/2017 18:59
A arte de blindar no Planalto Central | *Fernando Gabeira - O Estado de...
20/10/2017 18:48
BolsoLula - Por Sérgio Pardellas - IstoÉ Tetraneto do patriarca da Independência, o político...
20/10/2017 16:09
Última Edição com Da Redação   Avança o acordão da vergonha Acompanhe as principais...
20/10/2017 15:59
BRASIL - Alckmin diz que se prepara para concorrer à Presidência da República Estadão...
20/10/2017 14:24
Postado Por Josenildo Melo Jornalista MTB DRT PI 01958 - Credenciado Vaticanista   De...
20/10/2017 14:12
Pré-candidata a deputada estadual, Teresa Britto não descarta governo do Piauí em...

Contato

Jornalista Josenildo Melo Teresina - Piauí - Brazil WhatsApp : 86 99513 2539 josenildomelo@bol.com.br