Temer diz preferir Meirelles e elogia Alckmin

11/01/2018 08:10
Temer diz preferir Meirelles na Fazenda e elogia Alckmin
Presidente acredita que eleitor vai votar na ‘segurança e na serenidade’ e Rodrigo Maia continuará na Câmara
 
O presidente Michel Temer diz acreditar que o eleitor vai votar na “segurança e na serenidade” em outubro, o que ajuda a desenhar o perfil dos candidatos à Presidência com chances de vitória e leva a uma conclusão: “As pessoas estão cansadas de tudo isso (a confluência de crises) e vão querer a continuidade, a manutenção do nosso programa de governo, que está recuperando a economia e a tranquilidade. Ninguém quer aventura”, afirmou a Eliane Cantanhêde. Temer elogiou o governador Geraldo Alckmin (PSDB), admitiu preferir o ministro Henrique Meirelles (PSD) na Fazenda sem disputar a eleição e opinou que o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) tende a tentar a reeleição à presidência da Câmara. Temer se diz “amigo do Geraldo há muitos anos” e, sobre a falta de apoio do tucano nas duas denúncias do ex-procurador-geral Rodrigo Janot, afirmou: “Nunca fui rancoroso. Ele deve ter tido os motivos dele, e isso passou”.
 
Temer prefere Meirelles na Fazenda do que na eleição
 
Eliane Cantanhêde / O Estado de S. Paulo
 
BRASÍLIA - O presidente Michel Temer diz acreditar que o eleitor brasileiro vai votar na “segurança e na serenidade” em outubro, o que não apenas ajuda a desenhar o perfil dos candidatos à Presidência com chances de vitória como leva a uma conclusão: “As pessoas estão cansadas de tudo isso (a confluência de crises) e vão querer a continuidade, a manutenção do nosso programa de governo, que está recuperando a economia e a tranquilidade. Ninguém quer aventura”.
 
Em conversa no Palácio do Jaburu, residência oficial, Temer elogiou o governador Geraldo Alckmin (PSDB), admitiu preferir que o ministro Henrique Meirelles (PSD) continue na Fazenda a disputar a eleição e opinou que o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) tende a disputar a reeleição à Presidência da Câmara, mas “só tem a ganhar” ao se movimentar pela sucessão presidencial.
 
Segundo Temer, Alckmin preenche os requisitos de “segurança e serenidade”. Quanto à falta de apoio do governador nos piores momentos do presidente, nas duas denúncias do ex-procurador-geral Rodrigo Janot, Temer relevou: “Não sei exatamente porque, mas nunca fui rancoroso. Ele (Alckmin) deve ter tido os motivos dele, e isso passou”. Ambas as denúncias – uma sob acusação de corrupção passiva e outra por obstrução da Justiça e organização criminosa – foram barradas pela Câmara no ano passado.
 
Ao se dizer “amigo do Geraldo há muitos anos”, ele relatou que tem falado sempre com Alckmin e que ambos tinham até combinado voltar juntos do Fórum de Davos, na Suíça, no dia 25, mas o governador lembrou que é o dia do aniversário de São Paulo e ele não poderia se ausentar da festa.
 
Para Temer, é o oposto: é conveniente estar fora do País no dia 24, data em que está marcado o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4). Ele, porém, decidiu ir a Davos, entre os dias 22 e 25, porque deve integrar o seleto grupo de chefes de Estado e de governo com direito a discurso no Congress Hall, o auditório principal do fórum, com cerca de 1,5 mil lugares. Além do brasileiro, que vai falar da evolução e dos indicadores positivos da economia desde a crise de 2015 e 2106, devem discursar ali também o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e os líderes da Índia e, possivelmente, da Argentina.
 
“Será uma excelente chance para mostrar aos grandes investidores do mundo tudo o que estamos fazendo no Brasil”, disse ele na conversa com o Estado, em que falou também sobre a pré-candidatura de Maia, que, aliás, vai assumir a Presidência enquanto ele estiver na Suíça.
 
“O Rodrigo está se movimentando muito, mas ainda acho que a prioridade dele é se reeleger para a Presidência da Câmara, que é um cargo excepcional. De qualquer forma, ele não tem nada a perder, só a ganhar. E é aquela história, ‘se colar, colou’”, disse o presidente, enfatizando que não tem candidato.
 
Reforma. Para Temer, “a sucessão presidencial só começa a partir de março” e a prioridade é aprovar a reforma da Previdência na Câmara em 19 de fevereiro. Ao ser questionado se já tem os 308 votos necessários, a resposta é de pronto: “Ainda não, mas vamos ter”.
 
Segundo ele, há sinais de que deputados antes refratários à proposta começam a se dizer mais flexíveis, por três motivos: a proposta final está enxuta, a população começa a entender a sua necessidade e os candidatos querem se livrar desse debate na campanha. Ele, porém, reclamou da Justiça, que suspende as propagandas do governo pró-reforma, mas não as das corporações contrárias a ela.
 
Outro argumento para deixar a eleição para março: “O ambiente ainda está muito confuso. Por exemplo: o MDB (seu partido) vai ter candidato? Um candidato próprio ou alguém que migre de outra sigla?” Esse poderia ser o caso de Meirelles, hoje filiado ao PSD. Temer elogiou “a inteligência e a capacidade política” do ministro, mas admitiu: “Ele seria um grande presidente, mas, para mim, é claro que é muito melhor que fique na Fazenda”.
 
Outros dois ministros-chave do governo também não confirmaram se saem ou ficam: Aloysio Nunes Ferreira (Relações Exteriores) e Raul Jungmann (Defesa), que têm boas chances de ficar. Com um sorriso, Temer desmente as versões de que terá dificuldade para substituir os pelo menos 13 ministros que vão se desincompatibilizar para concorrer em outubro: “Você nem imagina! Todo mundo quer ser ministro!”.
 
 

Notícias

22/07/2018 10:33
Papa no Angelus: distantes de Jesus e de seu amor, nos perdemos “Com Jesus ao lado se pode...
22/07/2018 10:30
Elio Gaspari: O PT e Ciro no golpe do plebiscito - O Globo Plebiscito logo após a eleição é golpe...
22/07/2018 10:26
Vera Magalhães: Uma nova lógica - O Estado de S.Paulo   Força inédita do Centrão é chave para...
22/07/2018 10:22
Luiz Carlos Azedo: O tabuleiro eleitoral - Correio Braziliense Pesaram a favor de Alckmin o...
22/07/2018 07:04
Saiba quais são os temas mais debatidos pelos brasileiros no Facebook   Segurança e economia...
22/07/2018 07:01
PSOL formaliza candidatura de Boulos à Presidência BRASÍLIA (Reuters) - Por Marcela Ayres O...
22/07/2018 06:31
Quinto aniversário da primeira Viagem Apostólica de Francisco Cinco anos da primeira Viagem...
22/07/2018 05:48
PERTENCE QUERIA DEFESA TÉCNICA, O PT, A PANFLETÁRIA Ministro aposentado do Supremo Tribunal...
21/07/2018 21:15
Míriam Leitão: Sombras do centrão - O Globo O apoio dos partidos do chamado centrão pode ser tanto...
21/07/2018 21:01
Adquira o subsídio Igreja em Oração Arquidiocese de Teresina - Por Cristiane Pinheiro A...
21/07/2018 17:12
A militância partidária: Editorial  Jornal O Estado de São Paulo A política depende dos...
21/07/2018 17:00
"Alckmin conseguiu unir no 'Centrão' toda a nata da corrupção", diz Bolsonaro Em publicação neste...
21/07/2018 15:16
Reflexão litúrgica para o XVI Domingo do Tempo Comum - B "No final das nossas atividades...
21/07/2018 15:10
Luiz Weber: O candidato bombado - Folha de S. Paulo   Geraldo Alckmin (PSDB) recorreu ao...
21/07/2018 15:02
Editoral: juventude, arregaçar as mangas "A felicidade não é algo que pode ser comprado no...
21/07/2018 14:58
A espúria negociação de uma aliança: Editorial | O Globo O candidato Geraldo Alckmin ganhou a...
21/07/2018 10:04
BARROSO PÕE ‘CANDIDATURA AVULSA’ NA GELADEIRA O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu que não...
21/07/2018 09:58
Cálculos políticos Foto viralizou nas Redes Sociais no dia 20 de julho de 2018 Há uma chuva de...
21/07/2018 09:51
Fernando Gabeira: Livrai-nos de tanta loucura - O Globo No Brasil, Congresso decide quebrar o...
21/07/2018 09:44
Ricardo Noblat: PT inventou Temer Presidente e quer jogá-lo no colo de Alckmin - Blog do...

Contato

Jornalista Josenildo Melo Teresina - Piauí - Brazil WhatsApp : 86 99513 2539 josenildomelo@yahoo.com