Vera Magalhães: A receita de Alckmin

20/05/2018 17:29
Vera Magalhães: A receita de Alckmin
- O Estado de S. Paulo
 
Doze anos depois, tucano parece ainda não ter aprendido diferença entre São Paulo e o Brasil
 
A campanha de 2006 deveria ter funcionado como um alerta para Geraldo Alckmin: uma eleição nacional não segue, nem de longe, os parâmetros de São Paulo. Simplesmente porque poucos lugares no mundo podem ser mais distantes do Brasil que São Paulo.
 
O início da segunda jornada presidencial do tucano, no entanto, parece mostrar que algumas coisas permanecem inalteradas. É verdade que, agora, ele adotou as balizas de um programa econômico caro logo de saída. Isso traz nitidez ao debate, o situa no campo dos que defendem reformas, rigor fiscal e privatizações e evita que ele repita o mico da jaqueta com emblemas de bancos públicos e estatais.
 
Mas na política e, sobretudo, na forma como se apresenta Alckmin continua sendo o mesmo de sempre. Seus aliados constataram, chocados, que o grupo de Michel Temer vazou em minutos o fato de o tucano ter procurado o presidente para iniciar conversas para uma possível união. Isso porque, em São Paulo, Alckmin se acostumou por muito tempo a ser o governador, aquele ao redor de quem as articulações se davam e que ditava o ritmo das conversas.
 
Jogando “em casa”, Alckmin teve em sua aliança partidos de A a Z, acomodados num amplo cabide de mais de duas décadas de poder ininterrupto do PSDB no Estado.
 
Mas fora das fronteiras paulistas Alckmin é desconhecido pelos eleitores e pouco reverenciado pelos políticos. Não tem o cheiro de poder que exalava em São Paulo. Potenciais apoiadores precisam olhar para ele e ver não o Picolé de Chuchu, mas alguém capaz de encarnar aos olhos de uma parcela do eleitorado o líder que 2018 requer: acima da polarização, mas não desprovido de autoridade; sem máculas éticas depois do trauma da Lava Jato; com força política para fazer reformas, começando pela da Previdência, e capaz de colocar ordem inclusive nas instituições, cujos papéis estão bagunçados.
 
Não é pouca coisa. E, por ora, as pesquisas mostram que o eleitor vê esses atributos antes em outros candidatos que nele. A ficha de que as coisas não vão bem parece ter começado a cair no QG tucano. Pesquisas qualitativas deixaram aqueles que têm cabelos com os mesmos em pé. A mácula ética suja o PSDB tanto quanto PT, o próprio Alckmin é colocado no balaio da Lava Jato e a maioria da população ignora sua existência.
 
Foram esses dados que fizeram com que ele deixasse um pouco sua tática de “jogar parado” e saísse por aí tentando modular o discurso e fixar uma imagem. E é nessa hora que os erros de 2006 aparecem.
Naquela campanha, Alckmin fez seu comitê em Brasília, numa área remota da capital. Todos os dias os jornalistas que iam até o longínquo Setor de Indústrias Gráficas colher informações da campanha tucana eram brindados com duas coisas: bombons Sonho de Valsa e a receita de seis dicas de Alckmin para a vida saudável, que começava com primeiro sol da manhã na retina, passava por ômega 3 e o resto, felizmente, a memória não me permite mais lembrar. Doze anos depois, qual a “jogada” de Alckmin para ser mais conhecido na pré-campanha? Vídeos com conversas com eleitores em padarias! Quem vai escolher um líder nacional na fila do pãozinho?
 
Enquanto ele oscila entre a média com pão na chapa e um discurso que flerta com as ideias já associadas a Jair Bolsonaro na segurança, no PSDB volta a ganhar corpo o zunzunzum da troca de candidato por João Doria.
 
Alckmin tem o controle do PSDB e essa manobra é muito difícil em condições normais de temperatura e pressão. Mas o simples fato de o líder nas pesquisas estar preso e o segundo colocado ser de um nanopartido mostra que esta campanha será tudo, menos travada segundo o cânone clássico.
 
A receita de Alckmin para a vida saudável parece ser pouco para alavancá-lo.
 
 

Notícias

24/06/2018 18:37
HISTÓRIA DA ALEMANHA - DW   O povo alemão Na origem do povo alemão estão as tribos...
24/06/2018 18:30
Erdogan vence na Turquia, mas sem maioria para mudar Constituição Cartaz da campanha eleitoral de...
24/06/2018 18:26
Ángelus del Papa: En cada persona humana está la huella de Dios En la Natividad de san Juan...
24/06/2018 18:21
Os dois braços longos do Papa: fé e caridade A caridade do Papa e sua gestão, que deve sempre ser...
24/06/2018 18:16
Porandubas nº 578 Hora de trabalhar O brigadeiro Eduardo Gomes fazia, no Largo da Carioca (Rio de...
24/06/2018 18:09
Luiz Carlos Azedo: A decantação da Lava-Jato - Correio Braziliense A divisão no Supremo Tribunal...
24/06/2018 16:14
Prisão de Lula é ‘ilegal’ e ‘viola a Constituição’, diz ministro do STF Marco Aurélio falou à TV...
24/06/2018 16:10
24 de junho: dia de São João Batista, o precursor de Jesus Cristo Pessoas festejam em Arraiá do...
24/06/2018 14:49
Com rins paralisados. Dom Miguel recebe Unção dos Enfermos na UTI www.cidadeverde.com -...
24/06/2018 11:10
Na próxima quinta-feira, Consistório para a criação de novos cardeais Papa Francisco presidirá o...
24/06/2018 11:04
PSDB isola MDB e prioriza outros aliados nos estados DEM, PSD e PP são tratados como parceiros...
24/06/2018 10:54
Vera Magalhães: PT preso a Lula - O Estado de S.Paulo Partido que venceu últimas quatro eleições...
23/06/2018 17:35
Kroos resgata a DFB-Elf em 95 . minuto Goalie pouco antes do final: Toni Kroos....
23/06/2018 13:45
Natividade de São João Batista A missão de João Batista é a missão de todos: preparar e anunciar a...
23/06/2018 13:39
Sem política não há solução: Editorial | O Estado de S. Paulo Como há muitos anos não se via, as...
23/06/2018 10:56
Justiça homologa delação premiada de Palocci Agência Brasil O desembargador João Pedro Gebran...
23/06/2018 10:51
Vaticano condena ex-núncio por divulgar pornografia infantil Por DW Monsenhor Carlo Alberto...
23/06/2018 10:45
Hélio Schwartsman: Religião petista - Folha de S. Paulo Absolvição de Gleisi Hoffmann e Paulo...
22/06/2018 12:02
Papa: confiança, anúncio e fraternidade para ser missionário Francisco propôs uma reflexão aos...
22/06/2018 07:45
Dom Guilherme: “O futebol como grande negócio explica a apatia dos brasileiros”   “Os...

Contato

Jornalista Josenildo Melo Teresina - Piauí - Brazil WhatsApp : 86 99513 2539 josenildomelo@bol.com.br