Vera Magalhães: Mito de pés de barro

14/01/2018 09:58
Vera Magalhães: Mito de pés de barro
- O Estado de S.Paulo
 
No primeiro percalço, Bolsonaro expôs ao País o material do qual é feito, mas idolatria persiste
 
Um conhecido aforismo conta que, certa feita, Nabucodonosor, rei da Babilônia, sonhou com uma estátua de um gigante cuja cabeça era feita em ouro, o tronco e os braços em prata e bronze, as pernas em ferro e os pés em barro. Uma pedra vinha e, atingindo os pés sensíveis, derrubava a estátua de uma vez. Chamou os sábios para interpretar o sonho e eles viram ali o destino não só do império, mas da humanidade.
 
Desde então a história vem sendo usada como alegoria daquilo que, parecendo sólido, se desmancha ao primeiro impacto. A história está cheia de ídolos de pés de barro, e volta e meia eles aparecem na política.
 
Geralmente falam grosso, fazem bravatas, ameaçam os que não se curvam, impressionam os incautos, mas não resistem ao mínimo choque, às vezes com seu próprio passado.
 
O “mito” (sic) da vez na política brasileira, Jair Bolsonaro, já permitia antever – sem a necessidade de sábios para desvendar nada – que continha em sua composição, se não todos os metais nobres da estátua do rei, ao menos o barro a lhe arrematar os pés. E bastou ser confrontado de leve por dois questionamentos básicos para um candidato – seu patrimônio e o uso que faz, como parlamentar, das verbas a que tem direito em seu mandato – para despencar do pedestal em que foi colocado por um eleitorado entre perplexo e revoltado com os rumos da política nos últimos anos.
 
Reportagem da Folha de S. Paulo mostrou que Bolsonaro e os filhos experimentaram uma evolução patrimonial incompatível com o salário que amealharam com mandatos.
 
Em vez de explicar a aquisição dos imóveis, muito por valor bastante abaixo do mercado, o deputado fez aquilo que políticos tradicionais – aqueles mesmos dos quais ele tentava se diferenciar na base do gogó bravateiro – fazem: tergiversou, culpou a imprensa, distribuiu impropérios e ameaças, desmentiu o que não foi dito para calar sobre o que foi questionado. Em resumo: enrolou.
 
Diante da revelação de que usou auxílio-moradia da Câmara mesmo tendo imóvel em Brasília, achou por bem responder aos repórteres que utilizou os recursos para “comer gente” na época em que estava solteiro.
 
Por fim, ao responder ao questionamento sobre o fato de ter funcionária em seu gabinete que trabalha em Angra dos Reis vendendo açaí e, segundo relatos, faz serviços em sua casa, enrolou, disse que o salário da moça era baixo e não soube explicar ao certo o que ela faz.
 
Por muito menos que um conjunto de fatos desse, revelado no intervalo de uma semana, o Bolsomito já teria esbravejado nas redes sociais contra adversários, exigido explicações, vociferado contra o mau uso dos recursos públicos e se pavoneado de ser diferente.
 
Quando é pilhado em práticas semelhantes, no entanto, Bolsonaro recorre aos super trunfos argumentativos de sempre: fez o que “todo mundo faz”, a imprensa o persegue, querem manchar o nome da família etc. Esse discurso é, sem tirar nem pôr, o mesmo de Lula, que usa a idolatria em torno de si para vitimizar-se nos processos a que responde.
 
Nada disso chega a surpreender quando se conhece a trajetória e o estilo do candidato. O espantoso é que uma parcela de seus seguidores ignore qualquer questionamento em nome da manutenção da mitologia em torno do “escolhido”.
 
É desalentador constatar que mesmo depois do petrolão, do mensalão e da queda em série de políticos em escândalos de corrupção, alguns deles “mitos” como Lula, uma parcela do eleitorado brasileiro esteja
 

Notícias

19/04/2018 18:00
Clero do Brasil é jovem   Reunidos na 56° Assembleia em Aparecida, os bispos do...
19/04/2018 17:44
Bispos reunidos em sua 56ª Assembleia Geral enviam mensagem ao povo de Deus   O...
19/04/2018 17:09
William Waack: A pobreza do debate - O Estado de S.Paulo   A Lava Jato traçou a...
19/04/2018 17:02
Caminhada da Fraternidade quer ampliar consciência do respeito ao outro Cris Pinheiro - Vera...
19/04/2018 16:27
Política - TRF4 nega mais um recurso de José Dirceu, que fica perto da...
19/04/2018 16:14
Papa Francisco: não existe evangelização de poltrona Em sua homilia, Francisco destacou que...
19/04/2018 03:48
Papa recebe o pai de Alfie: somente Deus é dono da vida O encontro ocorreu na Casa Santa...
19/04/2018 03:40
19 DE ABRIL DE 2018 - Coluna do Cláudio Humberto SUSPEITA É QUE PASSAPORTE SERVIRIA À FUGA...
18/04/2018 21:25
Gleisi pede apoio do mundo árabe para libertar Lula da prisão   Presidente do PT diz...
18/04/2018 18:04
Porandubas Políticas Por Gaudêncio Torquato   Porandubas nº 570...
18/04/2018 17:59
Álvaro Dias defende reformulação da República e diz que eleitor quer candidato ficha...
18/04/2018 14:41
TRF-4 nega último recurso de Lula no caso do triplex do Guarujá Desembargadores decidiram...
18/04/2018 08:33
Papa: Batismo implica uma resposta pessoal “Deus chama cada um pelo nome, amando-nos...
18/04/2018 08:25
Vera Magalhães: Dilma, Aécio e a Lava Jato - O Estado de São Paulo O que une o destino dos dois...
18/04/2018 07:53
Por Jorge Oliveira   JORNAIS ESTRANGEIROS AGORA CONDENAM CORRUPÇÃO DE LULA Rio - A imprensa...
18/04/2018 07:43
18 DE ABRIL DE 2018 - Coluna do Cláudio Humberto ALCKMIN PRESSIONADO A EXPULSAR AÉCIO DO PSDB O...
18/04/2018 07:37
Aécio Neves réu ‘entristece’, mas ‘lei é para todos’, diz Alckmin O presidente do PSDB, Geraldo...
17/04/2018 20:35
Por 5 a 0, Aécio vira réu em ação no Supremo Senador do PSDB mineiro agora responderá ao...
17/04/2018 13:26
O desafio das eleições: Editorial | O Estado de São Paulo   Realizada entre os dias...
17/04/2018 13:18
"No Piauí há triunvirato, três políticos dividiram o Piauí entre si, uma nova...

Contato

Jornalista Josenildo Melo Teresina - Piauí - Brazil WhatsApp : 86 99513 2539 josenildomelo@bol.com.br